VII Seminário ESUDA de Trabalhos Acadêmicos/2020 de 28 a 29 de Outubro

Vida activa, afetos e decisões: o que vem depois do amanhã ?

1. APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA


Estamos em 2020. No Brasil e em todos os lugares o presente é um desafio só: pandemia, crises conjunturais e estruturais, desespero, desemprego, desencanto, desalento, medo, isolamento global e individual, depressão, tristeza, morte, luto, indiferença. É uma avalanche que reclama contenção. Não sabemos qual será ‘A sociedade que vem’, mas sabemos que será uma sociedade pós-pandêmica, e isso significa que devemos, nós, do presente, reaprendermos a pensar e a agir, pois o ser que vem, seja como for, não é o indiferente, e é neste contexto que o SETA-Seminário ESUDA de Trabalhos Acadêmicos, que acontece todos os anos há sete anos, se propõe a dialogar com a comunidade, convidando a todos a pensar o que virá depois do amanhã. O SETA sempre tratou de problemas universais, seja o da CIDADE como desejo, criatividade e limites, em 2014 ou mesmo os DESAFIOS de problematizar a sustentabilidade e as transformações sociais em 2015; já em 2016, a comunidade, tomada pelos desafios pragmáticos do mundo do trabalho, decidiu debater AS RELAÇÕES DE MERCADO NO MUNDO CONTEMPORÂNEO. Naquele ano, o Brasil estava envolto em grandes conflitos sociais, políticos e econômicos, oriundos de acontecimentos de anos anteriores e que iriam reverberar ainda mais nos anos seguintes. Em 2017, movidos pelas mesmas inquietações, trabalharmos o tema: DA CIDADE AO CIDADÃO: ética, política, gênero, subjetividade e espaço urbano. Como os problemas humanos não são resolvidos por decreto, apenas se agravam com a inação ou ações erradas dos homens, 2018 nos pegou mergulhados no káos, daí o tema do SETA escolhido pela comunidade naquele ano: O KÁOSTEMPORÂNEO: urbanidade, democracias e desigualdades, tema este que pareceu prenunciar as dificuldades circunstancias de 2019, e reclamaram urgência em pensar A AGONIA DO PRESENTE: com o desafio da esperança. Agonia, que, na época, pareceu exagero para alguns, aos olhos do hoje parece profético enquanto anunciador do estado de coisas no contemporâneo. 2020 mal dava os primeiros passos e fomos assaltados por um vírus que globalmente tomou um caráter pandêmico e vimos todo o nosso mundo quotidiano revirado do avesso, nossas ‘certezas’ desconstruídas, nossas vidas , assoladas pelo medo, circunscritas à privatividade da vida privada. Para defendermo-nos do vírus, nos isolamos nos espaços domésticos, vimos o espetáculo do adoecimento tomar conta de todos, e fomos testemunhas da luta, do empenho, da coragem de muitos, mas também do descaso, da negligência, do abandono e da indiferenca, da estupidez e da ignorância com que nossas vidas e nossos projetos foram tratados. Por isso, o tema do seta de 2020, VIDA ACTIVA, AFETOS E DECISÕES: o que vem depois do amanhã?, é colocado como pergunta para a qual não há resposta pronta, é uma inquietação, é um aberto que reclama audácia e convida-nos a trabalhar para entender, “ler o caos, inventariar o que não tinha sido experienciado antes, ‘olhar nos olhos de verdades asquerosas’ e, depois de fazer tudo isso, assumir o risco mortal de garantir a todos um pouco de certeza”, “precisamos encontrar a força para afirmar a vida, lutar contra qualquer desânimo, inventar novas formas de produzir, gerir, consumir, circular, governar e querer”, como afirma o sociólogo espanhol Manuel Castells; é “preciso combater contra as hidras que surgem dos abismos da humanidade, todas as vezes que uma construção do mundo cambaleia”, é preciso combater “os demagogos do apocalipse que convocam a levantar muralhas e a apelar para valores eternos que passam pela destruição do outro”. Construir o novo, o que começa, o mundo pós-pandemia é o desafio maior colocado a partir da única raiz que nos resta: nós mesmos, nossos afetos, nossas famílias, nossas identidades, nossos projetos sócio-políticos, culturais. ‘A vontade de viver acima de tudo. Não de sobreviver, mas de viver’. Não é voltar ao ‘normal’ o que precisamos. Da normalidade nossa vida estava doente. Precisamos construir o novo, o que começa, pois, os homens são marcados pela categoria da natalidade, ou seja, pela potência de iniciar algo novo, e isso, ou fazemos juntos ou não fazemos.

2. DATAS IMPORTANTES

Em especial, neste VII SETA, as inscrições das mesas serão propostas pelos professores com profissionais das respectivas áreas, pesquisadores e estudantes, e serão apresentadas ao GEIA, além disso também haverá inscrição para apresentação de trabalhos apenas nas modalidades comunicação oral e relato de experiência, e esta inscrição será efetuada através da página do evento tal como nos anos anteriores. Em decorrência das circunstâncias do presente, nosso evento será predominantemente virtual, pois tais circunstâncias nos impõem limites e nos leva a realizar a conferência de abertura no dia 28, das 19 às 22, e a concentrar todas as atividades no dia 29 de outubro.

3. SOBRE PARTICIPAÇÃO E CERTIFICADOS

Quem desejar participar do VII SETA, seja na modalidade de apresentação de trabalhos deverá se inscrever na página do evento (http://www.esuda.com.br/seta). Para participar como ouvinte todos devem acessar os links das atividades que serão divulgados com antecedência na página do VII SETA. O evento irá se realizar através das plataformas virtuais tais como youtube, facebook, zoom, Meet, etc. Quando divulgada a programação, já constará os devidos links e códigos que darão acesso as falas e registrarão a presença dos participantes. Tal assinatura eletrônica é requisito para o recebimento dos certificados, com a respectiva carga horária. O aluno ESUDA poderá participar de todas as atividades do VII SETA, bem como receber os respectivos certificados.



Informativo


PRORROGADAS AS INSCRIÇÕES E REALIZAÇÃO DO SETA 2020 INSCRIÇÕES: ATÉ DIA 23/10

REALIZAÇÃO DO SETA 2020 : 11 E 12 DE NOVEMBRO